O QUE SÃO VOTOS BRANCOS, NULOS E VÁLIDOS?

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Em época de eleição, costumam circular algumas lendas sobre votos brancos e nulos.
Por exemplo: Você já leu ou já ouviu alguém dizer que, se mais de metade dos votos forem brancos ou nulos, uma outra eleição tem que ser convocada com novos candidatos?
Outra: já ouviu dizer também que os votos brancos e nulos são direcionados ao candidato que tem mais votos?
Antes de esclarecer estas Fake News, é importante que você saiba exatamente o que são votos brancos, nulos e válidos.
Voto branco é a situação na qual o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos. Para isto, no momento da votação, na urna eletrA´nica, basta clicar na tecla BRANCO e depois em CONFIRMA.
Voto nulo é a situação na qual o eleitor digita na urna eletrA´nica um número qualquer que não existe nos registros da justiça eleitoral e, em seguida, aperta CONFIRMA. Por exemplo: não existe nenhum partido ou candidato com o número 00.
Voto válido é o voto que o eleitor confere a qualquer candidato ou legenda que realmente existe. A‰, então, qualquer voto que não é nem branco nem nulo.
Esta história de que, se os votos brancos e nulos totalizarem mais de 50% (mais da metade dos votos totais), a eleição será anulada e uma outra eleição com novos candidatos deverá ser marcada, é uma grande bobagem. Na verdade, estes votos brancos e nulos não têm nenhum efeito sobre a eleição e servem apenas estatisticamente para demonstrar a insatisfação dos eleitores com os candidatos que se apresentaram ou com toda a classe política.
Então, não é verdade que os votos brancos ou nulos são contabilizados para o candidato que teve mais votos? Não! A confusão que se faz é a seguinte: se você vota branco ou nulo, seu voto não altera absolutamente nada na eleição (porque não é válido). Se um voto branco ou nulo não altera nada numa eleição, a quem ele interessa mais? Ao candidato que está com mais ou com menos votos? A‰ claro que para o que está com mais, porque ele está na frente e, portanto, não precisa reverter o placar da eleição para vencer o adversário.
Imagine, por exemplo, uma situação simplificada de segundo turno em uma localidade em que existam exatamente 110 eleitores. No dia da votação, 10 eleitores resolveram não comparecer A s urnas; 30 votaram em branco e 25 votaram nulo. Como 10 pessoas não foram votar, dos 110 votos possíveis, as urnas eletrA´nicas terão apenas 100 votos registrados. Destas 100 pessoas que realmente votaram, 55 (30 + 25) declararam votos que não são válidos. Assim, os votos válidos nesta eleição imaginária seriam um total de apenas 45. Imagine que, realizada a apuração, o candidato A recebeu 27 votos e o candidato B recebeu 18 votos.
Nesta eleição hipotética, foram 10 abstençAµes, 55 votos inválidos e 45 válidos. Com isso, menos da metade dos votos computados nas urnas foram realmente válidos. Neste caso a eleição deve ser anulada? Claro que não, afinal apenas os votos válidos são levados em consideração. Pegando-se apenas os votos válidos, o candidato A fez 27 num total de 45, o que dá 60%, enquanto o candidato B fez 18 num total de 45, o que dá 40% dos votos válidos. Com isto, o candidato A, que fez mais de 50% dos votos válidos, estaria automaticamente eleito.
Mas deixa eu te fazer uma pergunta: o candidato A, que foi eleito, ele teve a maioria dos votos possíveis? Não, porque, do total de 110 votos possíveis, ele teve apenas 27 votos. Isto dá cerca de apenas 24,5% dos votos totais. Em outras palavras, mais de 75% da cidade não votou neste candidato, mas mesmo assim ele se elegeu.[/vc_column_text][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row][vc_row][/vc_row]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *